domingo, 6 de outubro de 2013

Ramos-Horta não deixa de nos surpreender. "A Guiné-Bissau está perigosamente perto de se tornar um Estado falhado"

Ramos-Horta não deixa de nos surpreender. Numa entrevista diz que a Guiné-Bissau está próximo de se tornar um Estado falhado, porque as lideranças nunca se entenderam com os militares…
LISBOA, 02 de outubro (IPS) - A Guiné-Bissau é "perto de se tornar um Estado falhado", mas não devido à violência étnica ou religiosa, que nunca existiu nesse pequeno país do Oeste Africano, argumenta o prêmio Nobel da Paz e das Nações Unidas enviado José Manuel Ramos-Horta.
"A Guiné-Bissau liderança política nunca conseguiu ter boas relações com os militares e vice-versa, e pode-se dizer que hoje o país está perigosamente perto de se tornar um Estado falhado
", Ramos-Horta, ex-presidente, primeiro-ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor Leste, disse em entrevista à IPS durante uma recente visita a Lisboa.
Secretário-Geral Ban Ki-moon, nomeou Ramos-Horta como seu representante para mediar na Guiné-Bissau - que teve a sua mais recente golpe de Estado em abril de 2012 - levando-se em conta as credenciais pessoais e políticos de Timor-Leste líder da Comunidade de Países de Língua Portuguesa ( CPLP).
Mas o cronograma inicial traçado para o retorno do país ao caminho da democracia, que incluiu eleições marcadas para 24 de novembro, não será cumprido devido a problemas políticos e organizacionais, os ministros das Relações Exteriores de sete dos oito países da CPLP reconheceu em 25 de setembro .
Os sete países são Angola, Brasil, Cabo Verde, Timor Leste, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe (Guiné-Bissau é o oitavo membro da CPLP).
A CPLP cortou o diálogo com o regime na Guiné-Bissau.

Q: Existe uma possibilidade real de paz naquele país?
A: Eu sou realista e otimista. Ao contrário do que aconteceu em outras partes do mundo, incluindo Europa, nunca houve violência étnica ou religiosa na Guiné-Bissau.
Igrejas ou mesquitas nunca foram incendiadas ou destruídas e cemitérios nunca foram profanados, como tem ocorrido até mesmo na União Europeia. Para garantir a paz e estabelecer a democracia, o que é urgente é para os políticos e os militares para não empurrar as pessoas demais.

Q: Afigura-se como o mais recente golpe foi a gota que fez transbordar a paciência da comunidade internacional.
A: É verdade. Não havia o menor indício de por que esse último golpe aconteceu, exceto para a responsabilidade dessas duas elites, a política e político-militar, para a seqüência de violência iniciada por João Bernardo "Nino" Vieira em 1980, quando ele derrubou o presidente Luís Cabral, anulando seis anos de sucesso na Guiné-Bissau após sua independência de Portugal.
Cerca de 20 ou 30 anos atrás, os golpes eram rotina na África. Hoje, a União Africano assume posturas ainda mais radicais na defesa da democracia do que a UE. No entanto, é necessário o diálogo, de forma pragmática, com aqueles que têm as armas.
Se não há diálogo, o que é bom a democracia?
Foi precisamente para ter canais de entendimento e negociação que o secretário-geral nomeado me como seu representante, e os resultados já foram vistos.

Q: Logo após o golpe, a UA, CPLP, União Europeia, Estados Unidos e das Nações Unidas indicou que a Comunidade Económica dos Estados Oeste Africano (ECOWAS) reagiu muito ligeira a apreensão dos militares do poder. Depois de nove meses de sua missão, como você vê as coisas?
A: As posições tomadas por essas instituições e os países eram totalmente correta. E também é necessário frisar que a CEDEAO interveio de forma pragmática para manter a situação de ser ainda mais agravado, e impediu a dissolução do parlamento ea eliminação da Constituição.
Eles têm investido uma grande quantidade de dinheiro, mas esta situação é insustentável. O importante nesta fase é a realização de eleições tão cedo quanto possível, dentro de cinco ou seis meses, eu espero, para restabelecer a ordem democrática e de pôr em prática uma estratégia para ajudar o país a se recuperar.

Q: Quem está envolvido no diálogo, hoje, com o regime da Guiné-Bissau?
A: Não houve reconhecimento de governos ou organizações importantes, mas há uma relação do dia-a-dia com os Estados Unidos ea Grã-Bretanha, que está em diálogo com o regime. Espanha manteve seu embaixador lá e França sempre foi ativo por meio de seu negócio adido.
A UE impôs algumas sanções, mas manteve seus programas sociais e humanitárias. Português ajuda é canalizada através de organizações não-governamentais e igrejas. A posição de Portugal é devido a algo muito simples: sua relação de longa data com o povo da Guiné-Bissau, que estão e ainda estarão lá, independentemente do regime que está no poder.

Q: Além da enorme fragilidade do Estado, que são os maiores problemas da Guiné-Bissau?
A: A pobreza extrema, com indicadores sociais muito pobres, a instabilidade política persistente, as fraquezas e fissuras no exército, a intervenção frequente dos militares na política e nos últimos anos, a penetração dos cartéis de drogas da América Latina, na Guiné-Bissau, bem como muitos outros estados da região, o que agrava as dificuldades nesses países, devido à criação de novas áreas de criminalidade e de novas tensões e perigos.

Q: Com relação a este último problema, foi dito que a Guiné-Bissau está se tornando um "narco-estado".
A: Isso é um absurdo expressa por alguns acadêmicos que escrevem relatórios que não têm uma base sólida na realidade, o que tem sido repetida pelos meios de comunicação, sem o menor respeito pelo rigor intelectual.
Um acadêmico faz uma análise, uma agência de notícias a partir de um grande país do Norte pega, e depois que todos os jornais vão com a mesma fonte, o que pode ou não ser objetivo e imparcial, uma vez que ninguém tem realizado um investigação exaustiva.
Guiné-Bissau é apenas um pequeno país, vítima dos cartéis de drogas da América Latina e as máfias da UE e da Rússia. Eles são os únicos que são realmente responsáveis.
Como representante do secretário-geral da ONU, eu não posso dar os nomes das cidades que são verdadeiros centros de droga lavagem de dinheiro, onde o que você vê é o grande opulência, com mansões, edifícios de luxo e carros de luxo, enquanto em Bissau tudo que você vê em as ruas são cabras e vacas.

Q: Outro problema frequentemente mencionados são os supostos "cotas étnicas" no seio das forças armadas, onde o povo Balanta [o maior grupo étnico, tornando-se mais de um quarto da população] são claramente predominante na liderança.
A: Quando falsos problemas são levantados, as grandes dificuldades são criadas. Guiné-Bissau é multiétnica e multicultural, e tem várias religiões. Essa é uma riqueza, não uma desvantagem.
O Balanta foram historicamente dedicada à agricultura e criação de gado. Mas eles também são um povo com uma forte tradição guerreira ... que faz parte da sua história.
Há outros grupos que preferem o comércio das armas, e outros que preferem ser funcionários do governo.
No entanto, os especialistas ocidentais, não estão familiarizados com a situação no país, costumam dizer equilíbrio étnico nas forças armadas é necessário. Isso não é de todo realista, porque você não pode insistir que um comerciante se tornar um soldado.

FONTE: http://novasdaguinebissau.blogspot.com.br/search?updated-max=2013-10-04T16:15:00%2B01:00&max-results=13

Nenhum comentário:

Postar um comentário