sábado, 9 de agosto de 2014

DO CONGO AO CEARÁ: A VISÃO DE UM AFRICANO SOBRE O RACISMO BRASILEIRO

Do Congo ao Ceará: a visão de um africano sobre o racismo brasileiro

O que pode soar como um discurso repetido exaustivamente em nossa sociedade, para Abed veio como uma nova decepção. “O Brasil não é o que pensávamos ser. O negro brasileiro não faz parte da elite”
Por Jarid Arraes
Abed Nzobale, de 25 anos, é um estudante de engenharia civil da República Democrática do Congo.  Na Universidade Federal do Cariri (UFCA), região que agrupa oito cidades no interior do Ceará, Abed realizou o desejo de estudar em outro país, sonho que atribui a muitos dos jovens africanos. Mas desde que veio ao Brasil, Abed precisou refletir mais profundamente sobre o racismo.
O jovem congolês teve seu primeiro choque que despertaria a reflexão racial na sua mente quando, com o objetivo em curso, desembarcou do avião no aeroporto de Guarulhos:  a maioria das pessoas que circulavam pelo aeroporto eram brancas, um quadro muito diferente do que Abed e seus amigos imaginavam antes de chegarem ao Brasil. “O pouco do Brasil que nós conhecemos lá fora é o que a mídia nos mostra: as atrizes negras, mulatas, com seus cabelos crespos. E as meninas lá tomam elas como modelos de padrão de beleza, sobretudo nos cabelos. Os negros norte-americanos e brasileiros sempre foram para nós um tipo de referência”.
abed3
“Quando nós olhávamos a seleção com o número significativo de negros, pensávamos que aqui no Brasil eles também faziam parte da maioria da população”
Como não podia faltar, o futebol também tem grande participação nesse imaginário negro vendido ao exterior: “Também conhecemos o Brasil pelo seu lindo futebol. Eu e meus amigos, quando nós brincávamos com a bola, nos denominávamos Pelé, Romário, Ronaldinho e assim por diante. Quando nós olhávamos a seleção com o número significativo de negros, pensávamos que aqui no Brasil eles também faziam parte da maioria da população”. Por isso, quando Abed se deparou com a branquitude do aeroporto de Guarulhos, pensou que eram estrangeiros – constatação que veio a perceber ser equivocada logo que partiu para seu próximo destino: João Pessoa (PB), onde aprenderia a falar português. “Percebi de novo que eramos os únicos negros no avião. Uma vez estando na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), me dei conta de que algo estava errado”.
O que pode soar como um discurso repetido exaustivamente em nossa sociedade, para Abed veio como uma nova decepção. “O Brasil não é o que pensávamos ser. O negro brasileiro não faz parte da elite”, lamenta. Na universidade em que estuda, contabilizando todos os alunos do curso de engenharia civil, Abed diz que, fora ele, há cerca de duas ou três pessoas negras. Para o Movimento Negro, assim como para o Feminismo Negro, essa percepção sobre a exclusão da população negra brasileira já é amplamente debatida e denunciada. Apesar das ações políticas e batalhas travadas com afinco, o racismo é uma mazela social profunda no Brasil, enraizada na cultura, opiniões e valores cotidianos; e, por isso, muito difícil de ser eliminada.
Para Abed, a vivência do racismo foi algo inédito em sua experiência pessoal, principalmente no tocante a ser vítima de atitudes discriminatórias – algo que só veio a se concretizar em solo brasileiro. “Na África, a palavra “preconceito” não fazia parte do meu vocabulário. Hoje me dou conta de tantas discriminações que sofri quando cheguei no início sem perceber. A primeira desconfiança que tive foi no momento que aprendíamos português: inicialmente todos os estudantes eram negros de diferentes países. Logo depois vieram os ingleses, franceses e americanos. Os professores mudaram de postura na sala, a gente só respondia às perguntas quando todos os brancos não sabiam mais responder”, relata o estudante.
Lamentavelmente, as experiências que Abed teve no Brasil não são escassas e fazem parte de um poderoso sistema de exclusão, atingindo todas as pessoas negras que vivem no país. Por isso, os relatos do jovem africano são de fácil identificação. Além disso, é interessante ver como sua consciência tomou corpo e sua fala soa inevitavelmente politizada. “Comecei aos poucos a entender porque outros amigos brasileiros brancos que eu tinha sempre me ofereciam bananas. Sempre quando me aproximava, as portas das casas e carros se fechavam. No Brasil, é possível conviver com uma pessoa racista sem que o saiba. Isso é muito perigoso. Aqui no Cariri fui bem acolhido. Conheci pessoas bacanas… Mas essas práticas que acabei de citar também são frequentes aqui”.
Apesar de tudo, a negritude brasileira tem muito mais a oferecer além de casos de discriminação, como suas ricas manifestações culturais e cultos religiosos de matriz africana. Abed reconhece essa diversidade, sobretudo religiosa. “Mesmo sendo cristão evangélico, vejo com bons olhos culturais essas religiões”, explica com admiração. “No Congo, também temos as religiões africanas. A igreja kimbanguiste é uma delas. Mas os nomes candomblé ou umbanda só ouvi aqui, embora as práticas sejam parecidas, as vestimentas, os pais de santo, as danças, etc. Chegando no Brasil, me dei conta de que precisava valorizar a minha cultura. E o candomblé e a umbanda são religiões que promovem a cultura africana”. Ouvir esse tipo de afirmação é, certamente, muito inspirador.
O caso Abed Nzobale evidencia muitos tópicos para discussão e análise.  É principalmente importante despertar um olhar mais complexo sobre o racismo no Brasil e compreender que, mesmo no meio de tanta discriminação, há caminhos de resistência e resgate. Para ele, o enriquecimento cultural, político e humano é uma realidade, que faz questão de demonstrar. “O povo brasileiro é acolhedor, comparando com outros países. Quando o brasileiro te fala que ‘vai dar um jeito’, certifique-se de que seu problema está resolvido. Uma grande riqueza cultural que se encontra apenas aqui. Também estou gostando dessa experiência minha de estudar fora. Não apenas vou adquirir conhecimentos, mas também aprender uma outra cultura. Apesar de tudo que falei a respeito do racismo, esse fato não vai apagar tantas belezas que essa nação tem. Eu acredito que se a justiça continuar a ser rígida contra qualquer tipo de discriminação aqui, essa nação se tornará uma das melhores nações do mundo”.
No fim das contas, a negritude se fortalece e o Brasil fica um pouco mais fascinante com a contribuição de pessoas como esse jovem congolês.
FONTE: http://revistaforum.com.br/digital/158/congo-ao-ceara-visao-de-um-africano-sobre-o-racismo-brasileiro/

Nenhum comentário:

Postar um comentário